3 dicas para transformar a escrita em hábito

Novembro está chegando e, com ele, o NaNoWrimo, evento anual que incentiva participantes do mundo todo a escreverem diariamente durante 30 dias a fim de iniciar um projeto, concluir uma história já começada ou até mesmo escrever um livro inteiro em um mês! Se você não tem ideia do que eu estou falando, deixo aqui uma thread da Agência Página 7 que explica direitinho o que é e como funciona o NaNoWrimo.

Participar do NaNo é um exercício intenso quando se trata de escrever todos os dias e no post de hoje quero conversar sobre o que tem me ajudado a manter o hábito sem pirar de vez. Falar sobre escrita é sempre um território complicado porque vai funcionar de forma diferente para cada pessoa mas, baseado nas minhas próprias experiências, decidi juntar três conselhos que são essenciais para mim e, de alguma forma, podem te ajudar a seguir em frente com seu próprio projeto!

1. Se planeje (nem que seja um pouquinho)

Tem gente que gosta de escrever com tudo planejado. Outras pessoas começam a digitar sem a menor ideia do que acontece na frase seguinte. Não existe jeito certo ou jeito errado mas, para mim, a falta de planejamento faz com que a minha escrita ande em círculos e não chegue a lugar nenhum, me deixando cada vez mais ansioso e frustrado.

Escrever uma história é levar seus personagens de um lugar a outro. E existem milhares de formas de fazer isso. É quase como fazer uma viagem de carro.

Você pode seguir exatamente o que o GPS manda, ou ter uma noção básica de onde você quer chegar e dirigir até lá. Você pode parar no posto de gasolina para pedir informação, cortar caminho para evitar trânsito. Você dá seu jeito para chegar contanto que saiba o destino. Quando falo de planejamento para escrita, estou falando do destino, que pode ser a linha de chegada final, ou a próxima parada onde você vai estacionar e buscar mais informações.

Saber como a história acaba me ajuda a continuar mas nem sempre eu sei. Então, antes de chegar no fim da história, preciso saber pelo menos como chegar no fim do capítulo (ou da cena) para ter uma ideia mínima do que fazer em seguida. Ter esse pequeno guia (que pode ser anotado ou pode estar só na sua cabeça) vai te ajudar a encontrar motivação para começar uma sessão de escrita mais objetiva. Sentar para escrever sem planejamento é como entrar no carro sem saber onde você precisa ir (ou pedir um Uber sem ter o endereço do destino) (e o aplicativo nem te deixa fazer, se você parar pra pensar).

Na prática: planeje sua sessão de escrita antes de começar. Você não é obrigado a saber tudo o que vai escrever. Descobrir a história enquanto escreve é gostoso demais, inclusive. Mas saiba pelo menos aonde quer chegar para não ficar dando voltas e gastando sua gasolina emocional à toa (ok, agora eu JURO que parei com metáforas sobre carros).

2. A regra dos dez minutos

Escrever todo dia não é obrigação para ser um Escritor De Sucesso™, mas se você quer transformar a escrita em hábito, é necessário um pouquinho de esforço. Porque, assim como qualquer atividade, tem dias em que a gente não está afim. Seja pelo cansaço, pela falta de motivação ou simplesmente porque apareceu outra coisa melhor para fazer.

Para os dias em que eu não sinto vontade nenhuma, tenho usado essa regra onde eu me forço a escrever por apenas dez minutos antes de me dar por vencido.

São dez minutos de foco, sem olhar para o celular ou ficar girando na cadeira de rodinhas. Dez minutos digitando mesmo se eu estiver odiando tudo. Algumas vezes isso é o bastante para eu entender que o melhor a fazer é deixar para o dia seguinte mas, na surpreendente maioria das vezes, minha sessão de escrita acaba vinte, trinta minutos, e eu termino o dia com um avanço na história que eu não teria se não tivesse colocado minha preguiça à prova.

O processo de escrita fica muito mais proveitoso quando se torna um artifício para conhecer melhor os seus processos e o seu jeito de lidar com problemas. É importante demais respeitar nossos próprios limites, entender que somos humanos e não basear o nosso valor como pessoa na nossa produtividade. Mas às vezes também é importante deixar de conversinha e tomar um pouco de vergonha na cara. Cabe a você compreender em qual momento você está hoje.

3. Registre seu progresso

Esse é um conselho BEM opcional e só vai te ajudar se você for uma pessoa que gosta de analisar dados, entender suas mecânicas de produção e competir consigo mesmo. Eu amo isso tudo então, para mim, funciona bastante.

Cada um analisa seu próprio avanço de forma diferente. Em cenas, páginas, caracteres… Eu gosto de medir por palavras. Por ter uma noção geral de quantas palavras eu preciso para contar uma determinada história, esse medidor me ajuda bastante a analisar meu avanço.

A parte do registro pode ser feita da forma como você achar melhor. Pelo calendário do celular, ou em uma lista, num caderno ou em uma tabela de Excel. Você pode registrar apenas os números do seu avanço, ou anotar como você estava se sentindo naquele dia. Gosto do modelo de calendário porque me ajuda a entender os dias da semana em que eu escrevo mais e os que eu escrevo menos. Por exemplo, sábados são sempre os melhores dias para mim em termos de escrita e se eu não produzo bastante em um sábado sei que alguma coisa fora do comum aconteceu e, se for o caso, consigo resolver o problema antes do dia terminar. Isso me ajuda a me entender melhor e, junto com a dica de escrever por pelo menos dez minutos antes de desistir, me faz ter um registro visual da minha jornada com aquela história (e em quanto tempo eu acredito que preciso para terminar).

Acho que o mais importante de tudo é fazer com que esse sistema de registro seja prático e funcional, e não apenas mais uma tarefa na sua lista de coisas a fazer. Acredite, eu já tentei de tudo: já fiz páginas no bullet journal, planilhas elaboradas, uma lista simples com números de palavras escritas seguidas de emojis que representavam o que eu estava sentindo enquanto escrevia. E quando me vi gastando mais tempo escolhendo emojis do que de fato escrevendo, percebi que aquela forma de registro me atrapalhava muito mais do que me ajudava.

Nos últimos meses tenho usado o app Day One (um aplicativo de diário disponível para iOS e Android), e quero fazer um post mais pra frente falando apenas dos benefícios desse app para qualquer pessoa que escreve porque eu estou simplesmente OBCECADO (de um jeito saudável que não me atrasa em NADA ok).


Volto a reforçar que as dicas que listei aqui se aplicam à minha forma de escrever histórias e não existe uma experiência de escrita universal. Mas se você retirou alguma coisinha boa deste texto, compartilhe com os amigues que também escrevem e considere conhecer minha página de apoio mensal no Catarse para receber textos sobre escrita e presentinhos quinzenalmente por apenas R$5,00 ao mês, hehe.

Obrigado por ter lido até aqui e boa sorte na sua jornada criativa. Nenhuma outra pessoa é capaz de escrever sua história e eu acredito demais em você.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s